PÁSCOA SEM CULPA


Conheça todos os tipos de chocolate: Sem leite, sem glúten, sem cacau, sem açúcar... Escolha o tipo de chocolate ideal para você!
 


O período de Páscoa costuma servir de pretexto para que a gente coma mais chocolate do que o normal sem aquele incômodo do sentimento de culpa. Para você não se deparar com resultados desagradáveis depois do feriado, a nutricionista Paula Castilho, dá dicas e alerta sobre o consumo deste saboroso alimento.
 
De acordo com a nutricionista, o chocolate é considerado saudável e nutritivo, mas deve-se ter cuidado com a quantidade. Pesquisas mostram que para se obter os benefícios nutricionistas do chocolate, a quantidade ingerida não deve ultrapassar de 38g por dia.

Na hora da compra, Paula recomenda optar pelos que têm maior teor de cacau e, consequentemente, menos açúcar. As opções com menor quantidade de gordura saturada e trans também devem ser priorizadas.
 
O chocolate mais escuro contém mais cacau e menos açúcar do que o chocolate ao leite. Há pesquisas que indicam que o leite e o alto teor de açúcar normalmente adicionados aos chocolates mais claros reduzem a capacidade do organismo de absorver antioxidantes. Dentre os tipos de chocolate que existem no mercado, deve-se dar preferência ao chocolate amargo, pois traz benefícios à saúde, desde que consumido com moderação. Isto porque ele é feito com o cacau puro e sem adição de gorduras do leite, contém alto teor de flavonóides, antioxidantes que combatem os radicais livres.
 
Para quem tem Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV), uma doença atinge cerca de uma a cada 20 crianças no Brasil, algumas marcas já produzem ovos de Páscoa isentos de proteínas e traços do leite. Mas a alfarroba pode ser uma ótima alternativa ao chocolate. Os produtos feitos com alfarroba são nutritivos, com sabor de chocolate, mas isentos de lactose, glúten e açúcar, podendo ser consumidos por quem tem alergia ao leite. 
 
O ideal é consumir 30g por dia. Essa quantia é equivalente a dois bombons ou um tablete pequeno. No caso do chocolate amargo (70% cacau), que é rico em substâncias que atuam prevenindo ou controlando a hipertensão, a indicação é ingerir de 3 a 4 quadradinhos diários do chocolate, pois ele é muito calórico e pode causar ganho de peso. Além disso, a ingestão em excesso pode provocar irritações no estômago e na mucosa intestinal.
 
Em contrapartida, o cacau possui uma substância denominada feniletilamina que ajuda a melhorar o humor. Uma dica é ingeri-lo no período da tarde que é quando o cortisol, o hormônio do estresse, está mais elevado.
 
Confira os benefícios de cada tipo de chocolate:
 
Ao leite - possui menos gordura hidrogenada na sua composição e, portanto, é menos calórico (com exceção daqueles que contêm nozes, cremes, frutas cristalizadas, entre outros).  Inclui cacau sólido, manteiga de cacau, mais de 12% de leite e açúcar. Um dos mais doces que existem, portanto representa um incremento bem grande de calorias na dieta, provenientes principalmente do açúcar, mas também da gordura do leite, da manteiga de cacau e de outras gorduras adicionadas. Aumenta as chances de engordar, se consumido em grande quantidade, ainda mais se sua dieta já for rica em outros carboidratos.
 
Branco - produzido a partir da manteiga de cacau, ele é o que possui menor quantidade de propriedades benéficas à saúde. Além disso, são ricos em gorduras saturadas, que colaboram para a elevação do peso. Seus componentes principais são: leite, manteiga de cacau e açúcar. E, muitas vezes, a manteiga de cacau é quase totalmente substituída por gordura vegetal hidrogenada (a de pior qualidade biológica). Sendo assim, não traz benefícios relevantes para a saúde e deve ser consumido com bastante moderação.
 
Amargo - fabricado com grãos torrados de cacau, ele contêm pouco açúcar e não tem acréscimo de leite na composição. É considerado um dos mais benéficos à saúde, já que é rico em flavonóides, substâncias que agem melhorando a circulação.
 
Diet - indicado para diabéticos, já que não possuem açúcares na composição. Porém, possuem um teor maior de gordura para garantir a mesma consistência. Sendo assim, às vezes, é mais calórico do que o normal, dependendo da marca.
 
Meio Amargo – sua composição é bem diversificada, conforme a marca do chocolate, mas é comum conter bastante açúcar, a exemplo do chocolate ao leite, e gordura. No entanto, é uma opção muito boa para aqueles que não apreciam o sabor forte do extra-amargo e do amargo.
 
Extra Amargo 90% cacau - contendo também a manteiga de cacau. Existem opções sem ou com pouquíssimo açúcar. O cacau possui propriedades que beneficiam as funções cardíacas, equilibram o colesterol bom e ruim e aliviam o estresse. Contém teobromina que melhora o humor e funciona de forma semelhante à cafeína (é devido a esta substância que o chocolate é tão viciante!), e também apresenta antioxidantes, que previnem doenças e o envelhecimento precoce, além de fibras. É por este motivo que quanto mais cacau, maiores serão os benefícios do chocolate. Já as opções com percentual menor de cacau, em geral, contêm grandes quantidades de açúcar e gordura, o que diminui sua qualidade e traz inclusive efeitos contrários aos do cacau. Portanto, consuma todas as modalidades com moderação.
 
Diet - é aquele que NÃO CONTÉM algum nutriente. Usualmente, os chocolates diets são assim chamados por não possuírem o açúcar, mas cuidado! Muitas vezes, eles têm uma quantidade elevada de gordura! Outro fator a ser considerado, se você não é diabético, é que cada vez que sua boca sente o sabor doce, o corpo inteiro se prepara para receber o açúcar, só que neste caso o açúcar não vai chegar, então a vontade de comer o chocolate pode só aumentar. É isto o que acontece com os chocolates que contêm adoçantes. Porém, se ele não tiver adoçante e nem mesmo açúcar, e ainda for amargo, pode ser considerado.
 
Light - aquele que contém algum nutriente em MENOR QUANTIDADE. Sua composição pode variar muito, por isso, fique atento ao rótulo, e veja qual nutriente ele tem menos, e se possui algum em altas quantidades, em comparação à um chocolate normal.
 
Sem Glúten - o chocolate puro é naturalmente sem glúten, já que esta proteína está presente em alguns cereais (centeio, cevada, triticale, trigo, etc). O que acontece com os chocolates é que muitas vezes eles sofrem contaminação cruzada, por passarem pelos mesmos recipientes e equipamentos onde alimentos que contém glúten são processados. Sendo assim, é ideal para quem necessita de uma alimentação livre de glúten, esta modalidade de chocolate apresenta uma garantia maior da sua ausência, já que se pressupõe ter passado por cuidados especiais que evitassem a contaminação.
 
Sem Lactose - a lactose é um carboidrato, presente no leite, com perfil inflamatório e bastante alergênico. Portanto, os chocolates “lactose free” são feitos para pessoas alérgicas ou intolerantes à lactose, que seguem uma dieta sem lactose por outros motivos de saúde ou até estéticos, veganos, ou alguma tradição alimentar. Em geral, o leite é substituído pelo leite de soja, ou algum outro isento de lactose. Neste tipo de chocolate, a contaminação cruzada com alimentos que contenham leite, também deve ser uma preocupação.

De soja - são fabricados com leite de soja, usualmente não contendo lactose. Os chocolates de soja com qualidade, que mantêm condições de processamento e temperatura adequadas, possuem as isoflavonas e fitoestrógenos intactos para benefício da saúde (efeito estrogênico). Cuidado! Alérgicos à soja devem evitar, assim como homens e crianças, já que há estudos científicos que declaram a soja como um agente que desequilibra a função hormonal deles.
 
Chocolate Proteico (com Whey Protein) -  este tipo de chocolate sacia muito o apetite, em comparação aos tradicionais, e ainda incrementa o aporte proteico do dia. Isto se deve ao Whey Protein que é adicionado, ele também ajuda a tonificar a musculatura. Mas, cuidado! Muitas vezes eles têm uma quantidade grande de gorduras, o que acaba anulando seus efeitos positivos. Por isto, fique atento sempre ao rótulo dos chocolates.
 
Alfarroba – não é chocolate, apesar de seu gosto e aparência serem iguais! É utilizado como substituto do cacau. Os produtos feitos com alfarroba normalmente não possuem glúten, lactose e cafeína, e são ricos em vitaminas e minerais.

Se você exagerar na Páscoa, Paula recomenda que, na semana seguinte, a pessoa coma alimentos mais leves, como frutas ricas em fibras, e beba bastante água para hidratar o corpo. Além disso, deve-se dar preferência a refeições com carne branca, legumes e saladas.
 
Outras dicas são fazer atividades físicas, acompanhadas de um profissional de saúde especializado e, se a “culpa” for muito grande, procurar um nutricionista para saber se não é o caso de fazer uma dieta de desintoxicação.
 


Serviço:
Paula Castilho- Nutricionista 
Tel: (11) 41132806 / (11) 41132809 

Comentários

Postagens mais visitadas