Chia uma semente do bem.




Considerada um superalimento, a chia é o nome popular da Salvia Hispanica, uma planta herbácea  da família das lamiáceas, de origem das regiões da Guatemala, do México e da Colômbia. A planta é mais conhecida por sua semente, que é vendida integralmente, moída ou em forma de óleo. A palavra chia deriva da palavra do nahuatl chian, que significa “oleoso”.
A Chia é uma semente com propriedades nutritivas especiais. Ela é uma semente pequena de forma oval (cerca de 2 mm de comprimento) e de cores variadas (acastanhadas, cinzentas, pretas e brancas).
Foi descoberta há centena de anos, sua composição nutricional e respectivos benefícios para a saúde, já são desde aquela época conhecidos. A semente da chia é considerada um alimento funcional dada suas características compositivas, entre os principais componentes estão às fibras, cálcio, magnésio, potássio, proteína e ômega-3.
Seu efeito mucilaginoso  de absorver e reter  água, devido à alta concentração de fibras, torna a chia interessante para quem busca emagrecer, já que pode intensificar a sensação de saciedade.

Os principais componentes da semente de Chia são:
Ômega 3: A semente da chia é uma das mais ricas fontes conhecidas, tanto animal quanto vegetal. Possui teor muito maior do que o encontrado na linhaça e no salmão.
Cálcio: cinco vezes a concentração do mineral encontrada no leite de vaca
Magnésio: possui duas vezes mais do que em castanhas e nozes.
Manganês e fósforo: três vezes mais do que no espinafre.
Proteínas: É uma fonte de proteína completa, que fornece todos os aminoácidos essenciais que o homem precisa.
Fibras: a alta concentração de fibras alimentares faz da chia um aliado do emagrecimento e na boa digestão. São também extremamente ricas em vitaminas e minerais, sendo uma das fontes vegetais mais ricas que se tem conhecimento até hoje.
Antioxidantes: a presença do flavonoide kaempferol e, em menor quantidade, os ácidos cafeico e clorogênico presentes provêm a chia três vezes mais antioxidantes que as famosas uvas do monte.


Análise nutricional (100g):
Energia: 2471 KJ / 595 Kcal;
Proteínas: 16g;
Carboidratos: 44g;
Lípidos: 31g.
A semente de chia, quando utilizada de maneira integral, pode ter diversos usos na cozinha. Ela é capaz de agir quase como emulsificante, torna líquidos mais próximos de um gel e dá “liga” a massas.
A chia tem o poder de absorver 12 vezes o próprio peso em água.
Atualmente a chia é cultivada para fins comerciais principalmente no México, Bolívia, Colômbia, Peru e Argentina.

As principais razões para se consumir sementes de chia são:
As sementes de chia são muito nutritivas, ela tem mais ômega 3 do que qualquer outra fonte natural possuem enormes quantidades de antioxidantes, cálcio, proteínas, fibras e muitas outras vitaminas e minerais. É um dos alimentos funcionais conhecido mais saudáveis e completos.
Proporcionam muita energia, são calóricas e fornecem resistência e durabilidade. As fibras presentes na semente de chia são do tipo solúveis, que incham o estômago, causando sensação de saciedade e retardando a sensação de fome. Equilibram o açúcar no sangue, garantindo energia ao longo do dia. Uma única colher poderia sustentar guerreiros astecas por várias horas.
Reduzem a ansiedade, como absorvem muita água, cerca de 12x seu próprio volume, e têm fibras altamente solúveis, eles ajudam na digestão de carboidratos e, consequentemente, na liberação de energia lentamente na corrente sanguínea.

As sementes de chia são digeríveis, sementes de chia não precisam ser moída antes de serem ingeridas. 
São muito praticas, você pode adicioná-las ao seu suco ou água, cereal, iogurte, frutas, tapioca ou salada e ainda incrementar diversas receitas, como bolos de carne ou almôndegas, quibes, sopas, tortas e pães caseiros.
Sementes de chia têm longa validade e se pode estocá-las por anos.

A semente de chia ajuda a emagrecer.
Ela causa saciedade, suas sementes são mucilaginosas, ou seja, ricas em fibras. Ao entrarem em contato com a água, formam um gel no estômago. Coloque um pouco na água e observe este gel se formar. Diante dessa reação, a digestão torna-se mais lenta. Assim, o indivíduo fica satisfeito mais rapidamente e durante um período mais longo e, então, passa a consumir porções menores de alimentos.
A gordura acumulada é resultado de um processo inflamatório do organismo, que deixa de enviar mensagens de saciedade ao cérebro. Com isso, perde-se o controle sobre a fome a ponto de comer e nunca se sentir satisfeito. O ômega-3 presente no grão combate essa inflamação, ajudando o corpo a recuperar o controle sobre o apetite.
Desintoxica, a fibra regula o trânsito intestinal e limpa o organismo por meio das fezes. Essas fibras ainda retêm parte da gordura presente nos alimentos. E isso acaba saindo nas fezes em maior quantidade do que o habitual.

A chia tem muitos benefícios, qualquer pessoa pode ingerir a semente. Mas, devido ao alto teor calórico, o excesso pode levar ao ganho de peso. Cada colher de sopa cheia possui aproximadamente 75 calorias. Há também pessoas com a chamada “síndrome do intestino irritável, devendo ficar atentas com o consumo de sementes em geral.

Previne e controla o diabetes, por conter fibras e aumentar o tempo de liberação da glicose, a chia pode ser relacionada com a prevenção do diabetes tipo 2. Funciona da seguinte forma: a digestão dos carboidratos começa na boca e termina no intestino, onde partes maiores de carboidrato são transformadas em tipos diferentes de açúcar, como glicose, frutose, galactose, para serem absorvidos. Quando consumida com fontes de carboidratos de frutas, massas, pães, as fibras da chia têm como efeito a diminuição da velocidade com que o carboidrato sai do estômago e chega ao intestino, para terminar de ser digerido e absorvido, justamente por se transformarem em um gel. Dessa forma, a glicose é liberada lentamente na corrente sanguínea, fazendo com que o hormônio insulina, necessário para transportá-la até as células, também seja liberado em pequenas doses. A vantagem de tudo isso é que com menos doses desse hormônio circulando no organismo, evita-se assim uma condição chamada resistência à insulina. O quadro ocorre quando é preciso uma quantidade maior do composto para que a mesma quantidade de glicose seja armazenada, e em longo prazo favorece o aparecimento do diabetes tipo 2
Ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares, o consumo regular de chia é capaz de evitar doenças como infarto, derrame e hipertensão graças as suas grandes quantidades de ômega 3. 
Esse ácido graxo reduz a formação de coágulos sanguíneos e arritmias, além de diminuir o colesterol  circulante no sangue. Além disso, o ômega-3 ajuda na regulação da pressão dos vasos sanguíneos, uma vez que aumenta a fluidez sanguínea, evitando assim, o aumento da pressão arterial. 
Tem efeito desintoxicante, os antioxidantes, como o ácido cafeico, de sua composição, são responsáveis por auxiliar na desintoxicação do fígado, além de impedir a formação de radicais livres que agem destruindo as membranas celulares e desencadeando o processo de envelhecimento. 
Como fonte de cálcio, a chia é uma alternativa para indivíduos que têm intolerância à lactose, necessitando de fontes alternativas desse mineral.
Em sua composição nutricional, a chia também apresenta vitamina A, nutriente que age como antioxidante contra os radicais livres e também auxilia na redução da acne e prevenção do ressecamento da pele. A semente também leva vitamina B2, importante na saúde da pele, unhas e cabelos. 
Por conter minerais como o selênio e zinco, que auxiliam o sistema imunológico, a chia é importante para reforçar as defesas, afastando de perto doenças como gripes, resfriados e processos infecciosos. Além disso, por ter nutrientes como fósforo, manganês, cálcio, potássio e sódio, a semente é indispensável para a manutenção da integridade e saúde das células. 
Ela é uma boa fonte de ferro, o mineral, presente em grande quantidade na chia, é muito bem absorvido nesse alimento. Ele é o principal nutriente na formação dos glóbulos vermelhos, que transportam o oxigênio pelo nosso corpo. A redução desses glóbulos e da oxigenação levam à anemia, fadiga e cansaço, aumenta os riscos de infecções e também se relaciona a uma queda na imunidade.

Não existe uma regra, mas nutricionistas calculam que duas colheres de sopa cheias de sementes diárias são suficientes e já trazem enormes benefícios à saúde.


                                                                     by HH



Comentários

Postagens mais visitadas